A mulher pecadora que ungiu e lavou os pés de Jesus

A Mulher Pecadora que Ungiu e Lavou os Pés de Jesus

  • A pecadora que ungiu os pés de Jesus: Quatro verdades
    • A pecadora que ungiu os pés de Jesus: Quatro verdades

    • Watch Video

A história da pecadora que ungiu os pés de Jesus com o puro nardo, um óleo perfumado de altíssimo valor, guardado em um vaso especial, o vaso de alabastro.

O vaso de alabastro era produzido com um tipo de pedra frágil, transparente, que pode ser facilmente polida ou esculpida.

Ela era muito usada para substituir o vidro. Os frascos com perfume de alabastro eram selados e descartáveis. Eram quebrados ao abrir e jogados fora quando ficavam vazios.

Simão o Fariseu, Jesus e a Pecadora

Jesus foi convidado por Simão, um fariseu, para comer em sua casa. Simão queria conhecer melhor a Jesus. Queria ver de perto este personagem que sua fama se espalhava por onde passava.

O Mestre arrastava multidões, onde quer que fosse. Quem sabe o fariseu não se sentiria atraído pela pregação de Jesus? É certo que ele queria observar as palavras de Jesus, mais de perto.

“E rogou-lhe um dos fariseus que comesse com ele; e, entrando em casa do fariseu, assentou-se à mesa.” Lucas 7:36

Jesus aceitou o convite e foi ter com ele. O Mestre que muitas vezes reprovou os fariseus, demonstrou não ter nenhum preconceito. As conversas de Jesus nestes tipos de encontro, eram extremamente edificantes. O Mestre em todos os lugares, estava em obediência à vontade do Pai, anunciando o evangelho.

E Jesus vinha de longas peregrinações pela palestina, estradas secas, pedregosas e empoeiradas. O Mestre entra na casa de Simão e é recebido com desconfiança e frieza.

Jesus toma o seu lugar à mesa. Eles ficavam meio sentados e meio encostados. As pernas e a parte inferior do corpo ficavam estendidas sobre um sofá, enquanto a parte superior do corpo ficava ligeiramente elevada e sustentada pelo cotovelo esquerdo, que repousava sobre um almofadão.

O braço direito e a mão direita ficavam livres para movimentar-se e pegar o alimento. A mesa era bastante baixa e próxima a cabeça. Os pés dos convidados ficavam fora dos sofás.

A Pecadora com Vaso de Alabastro

E eis que de repente entra uma mulher na sala do banquete. Logo foi reconhecida por todos como uma pecadora que vivia na região. Uma mulher imoral. Aquela de quem as pessoas comentavam, cochichavam aos ouvidos quando se aproximava.

Era discriminada. Ninguém queria a sua companhia ou amizade. Ninguém queria ser visto conversando com ela, muito menos teria coragem de tocá-la, “sob o risco de ser contagiado por seus pecados”! Era o pensamento religioso da época.

“E eis que uma mulher da cidade, uma pecadora, sabendo que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com ungüento;” Lucas 7:37

A pecadora trazia um vaso de alabastro, com um bálsamo suave, que desejava ungir os santos pés de Jesus, que estavam descalços porque, segundo o costume oriental, as sandálias ficavam na entrada da casa.

A Pecadora Unge os Pés de Jesus com Nardo

Ela, sem se importar com a reprovação dos olhares dos convidados, teve grande coragem e se aproxima de Jesus, na frente da multidão que conhecia as suas ofensas. E quando se prostra com o bálsamo puro nardo, se depara com os pés do salvador.

Jesus, pés descalços, pés empoeirados, cheios de marcas dos caminhos que passara. Quanta simplicidade! Ela não resistiu ver o Rei dos Reis, Senhor dos Senhores, na apresentação de tão humilde servo. Um servo obediente, que estava ali sem reclamar da frieza com que fora recebido.

A pecadora imediatamente, tomada de grande emoção, não pôde se conter, num soluço, derrama lágrimas sobre os pés do mestre, com água que vinha de sua alma, os começa a lavar e os enxuga com seus cabelos.

“E, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-lhos com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-lhos com o unguento.” Lucas 7:38

Este choro é muito profundo! Há muita reflexão aqui. Há arrependimento de pecados. A Pecadora chorava e refletia suas ações passadas. Seu coração estava totalmente arrependido, quebrantado. Pensava em uma mudança interior. Estava disposta a uma nova prática de vida.

Assim a pecadora, beijava e ungia os pés do Mestre, em uma atitude de amor, na confissão da sua incapacidade de se auto justificar, mas crendo na justificação pela fé.

“Quando isto viu o fariseu que o tinha convidado, falava consigo, dizendo: Se este fora profeta, bem saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, pois é uma pecadora.” Lucas 7:39

Logo o anfitrião, dono da casa, em um excesso de farisaísmo, começa a lançar dúvidas sobre a santidade de Jesus, pois se deixava ser tocado por uma pecadora, ainda que arrependida. O Mestre lê o seu pensamento e traz uma resposta que contrasta com a ação de humildade da pecadora.

“Um certo credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos dinheiros, e outro cinquenta.” Lucas 7:41

“E, não tendo eles com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Dize, pois, qual deles o amará mais?” Lucas 7:42

Jesus com frequência comparava o pecado a uma dívida. Um denário equivalia à uma diária de um trabalhador braçal. Quinhentos denários correspondiam ao salário de um ano e meio.

A Mulher Pecadora: Todos Pecaram

O fato é que todos devem a Deus. Todos pecaram, todos estão em dívida e não têm como pagar. Assim, o que diferencia Simão o fariseu da pecadora que ungiu os pés de Jesus, são suas atitudes.

O procedimento de Simão o fariseu, foi dominado pela frieza e desconfiança, pois segundo os rituais da hospitalidade, à chegada dos convidados, um dos criados e, até o próprio dono, lavava e enxugava respeitosamente os pés, mal protegidos da poeira e barro dos caminhos, pelas simples sandálias que calçavam.

O anfitrião também recebia seus hóspedes com um beijo. E durante a refeição se derramava algumas gotas de óleo perfumado sobre a cabeça dos convidados.

“E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas esta regou-me os pés com lágrimas, e mos enxugou com os seus cabelos.” Lucas 7:44

“Não me deste ósculo, mas esta, desde que entrou, não tem cessado de me beijar os pés. Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com unguento.” Lucas 7:45-46

Simão não cumpriu estes rituais com Jesus, manifestando seu caráter soberbo. Ele como os demais fariseus, não reconhecia os seus pecados, se achava santo, cheio da sua própria justiça. Pensava que não tinha motivo para ser perdoado.

Por isso, não manifestou obras de arrependimento. Sem arrependimento, seus pecados permaneciam.

Já a pecadora que ungiu os pés de Jesus, não se prendeu a teoria da lei, mas teve para com o Mestre uma atitude de amor. A pecadora reconhecia seus muitos pecados. E demonstrava o amor de quem alcançou um magnífico perdão.

“Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama.” Lucas 7:47

Muito mais do que a Lei é o Amor. Simão não entendia que o amor supera em muito os pecados! E quem consegue entender a grandeza do perdão recebido, se entrega totalmente ao amor de Jesus.

Jesus nos passa um exemplo de humildade de beleza incomparável. Um Deus sublime, majestoso, porém humilde e acessível e que ama!

O fariseu pensava que servia a um Deus que abominava e afastava o pecador e não se importava com eles. Simão não sabia amar e perdoar.

Jesus porém conhecia a reputação da pecadora, todavia estava interessado em salvá-la por meio da graça de Deus. Ele não afasta o pecador arrependido, mas o transforma para fazer a sua obra.

O amor de Deus salva. O amor de Deus transforma e perdoa!

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.” 1 Coríntios 13:13

Fonte: Rude Cruz, Estudos Bíblicos09 Setembro, 2012Por Israel do Nascimento Silva

 

Quatro aprendizado com as atitudes da mulher pecadora

Regava os seus pés com lágrimas: As lágrimas daquela mulher já não era de tristeza pelo repudio, mas sim de alegria. Pois estava aos pés de Alguém que por mais que era conhecido e considerado o convidado principal, não a rejeitou. As lágrimas dela naquele presente momento era de gratidão por achar alguém que a amava.
Enxugava com os cabelos: Soltar o cabelo para uma mulher judia em publico ou até mesmo entre amigos era inaceitável pois soltar o cabelo era considerado um ato obsceno (semelhante a uma mulher mostrar os seios hoje em dia) por isto uma mulher só fazia isto junto ao seu esposo em um momento intimo dentro de “quatro paredes”. Mas aquela mulher não teve escolha ela tinha ido até aquele local apenas para ungir os pés de Jesus como vemos no versículo 37 quando diz que ela levou apenas um “vaso de alabastro com unguento” só que quando chegou lá deixou a emoção tomar conta e com o derramamento de lágrimas sobre os pés agora tinha que secar de alguma forma e a única que encontrou foi os cabelos. Aquele gesto da mulher, indica também que ela simbolizava a noiva do Senhor, soltando seus cabelos para o noivo aguardado.
Beijava os pés: Já vimos que o ósculo simbolizava “Boas-vindas” por mais que aquela mulher já tinha aceitado Jesus como o Messias ela ainda esta fazendo isto querendo dizer “Mestre tu é e sempre será bem vindo dentro de minha casa (meu coração)”.
Ungia com o unguento: O auge da adoração daquela mulher nos pés de Jesus ela simplesmente ao ungir seus pés estava oferecendo o melhor que tinha para Jesus, o que antes era usado por ela como instrumento de sedução para um pecado, agora, era usado como simbolismo da melhor coisa que ela podia oferecer para o Deus todo poderoso que estava sobre a mesa.

 

Comentar
Categories: Blog, Mensagens e estudos BíblicosTags: ,